quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Vilas na Semana Lixo Zero




Mais uma vez participaremos da Semana Lixo Zero! Confira, abaixo, as atividades que vamos desenvolver dentro da programação.

Participem!  Estamos esperando vocês!

18 de outubro | 9h30 -12h00
Roda de Conversa “Ecobairros – Compartilhamento de Boas Práticas”
Participamos como um dos palestrantes. Mediadora Lara Freitas. Participação de Fábio Miranda – Instituto Favela da Paz, Thaís Mauad – Coletivo Vilas Beatriz, Ida e Jataí,  Alexandra Swerts – Vila Leopoldina e Magda Beretta – Vila Mariana.
Av. das Corujas, 456 – 1º andar – Vila Madalena

18 de outubro | 19h30 – 22h00
Vilas na SLZ - Jantar de Abertura
Jantar musical com cardápio especial, zero desperdício, preparado com carinho pelas quituteiras das Vilas. Os pratos são feitos com uso integral de verduras e legumes.

19 de outubro | 19h00 – 21h00
Vilas na SLZ - Oficina de paninhos encerados
Aprenda a fazer paninhos encerados para substituir o plástico filme no armazenamento de comidas. Quem vai conduzir a oficina é a Fernanda Gianesi da terra Ecoembalagens.
Preço: R$ 25,00, e você sai com o paninho criado na oficina.
É preciso se inscrever pelo telefone 3868-1544 e 99210-2162. Ou pelo email - cidade.lojavila@uol.com.br.

20 de outubro | 10h
Vilas na SLZ – Inauguração composteira Vicentina
Criação de mais uma composteira comunitária no território das Vilas, desta vez na Praça Vicentina de Carvalho.
Participe levando os seguintes resíduos orgânicos: restos de frutas e verduras, cascas de ovos, borra de café. E, se possível, leve restos de poda de jardim ou folhas secas.

22 de outubro | período da manhã
Vilas na SLZ - Atividade  “Seu Olavo e  Dona Xepa”
Alunos do 9º ano do ensino fundamental da escola municipal Olavo Pezzotti participam de atividade de culinária Zero Desperdício na casa de uma das moradoras das Vilas, colocando a mão na massa e preparando deliciosas receitas a partir de legumes e verduras obtidos na Xepa das feiras do território.
A proposta é sensibilizar os jovens para o tema do não desperdício e, ao mesmo tempo, fortalecer o vínculo dos estudantes com o entorno em que vivem.
Para chegar até o local da atividade, os alunos passarão pela Horta das Corujas, onde vão colher algumas PANCs (Plantas Alimentícias Não Convencionais), e farão o reconhecimento da flora da região.

25 de outubro | 14h00 – 16h00
Vilas na SLZ - Visita à Cooperativa You Green
Vamos conhecer um pouco sobre o caminho do Lixo e o trabalho desta cooperativa que trabalha com material reciclável, conhecendo todo o seu processo: desde a chegada do material, a separação dos resíduos e o trabalho dos cooperados.

26 de outubro | 9h00 – 12h00
Vilas na SLZ - Mutirão no parquinho
Mutirão de limpeza, plantio, consertos e melhorias no parquinho da Praça José Carlos Burle, próximo ao encontro das ruas Santonina e Fidalga. Este parquinho é muito utilizado pelos alunos da escola municipal Olavo Pezzotti e encontra-se sem manutenção.
Para fazer os consertos, limpeza e pintura, voluntários das Vilas Beija vão reaproveitar restos de materiais – como tintas, madeiras de reuso, pinceis, rolos de pintura - doados por moradores dos bairros.



quarta-feira, 4 de setembro de 2019

Vilas participam do movimento Coalizão pelo Clima




Não existe plano B para a vida na Terra ao menos que cuidemos de nosso planeta. Por isso mesmo,  o Coletivo das Vilas Beatriz, Ida e Jataí se engajou no movimento Coalizão pelo Clima – iniciativa global que reúne inúmeras entidades e associações – e lança a iniciativa Vilas pelo Clima.

 Entre os dias 20 e 27 de Setembro cidades do mundo todo farão protestos exigindo ações de combate às mudanças climáticas em uma greve global pelo clima. Em São Paulo, a greve acontecerá no dia 20, às 16h.

O Vilas pelo Clima terá atividades para fomentar o debate sobre aquecimento global, mudança climática e alternativas para uma vida mais sustentável e sadia.
Confira a programação!

Dia 18, quarta, 19h30
Roda de conversa  “Emergências Climáticas e Alternativas”, com Luiz Marques e Victor Hugo A. Morais Vieira.

Luiz Marques é professor livre docente do Departamento de História da Unicamp e co-criador do portal Crisálida. Doutor e Mestre em Geologia Ambiental, Recursos Hídricos e Hidrogeologia pela Universidade Federal da Bahia e Engenheiro Ambiental. Autor do livro Capitalismo e Colapso Ambiental.
Victor Hugo Argentino de Morais Vieira é Engenheiro Ambiental e Urbano e mestre em Ciência e Tecnologia Ambiental, com especialidade nas áreas de avaliação de impacto ambiental, gestão de resíduos sólidos, compostagem, agricultura orgânica e sustentabilidade urbana.
Onde: Colégio Hugo Sarmento, Rua  Dom Rosalvo 131, Sumarezinho

Dia 20, sexta, 16h
Greve Global pelo Clima
Onde: Masp, Avenida Paulista

Dia 21, sábado, 9h
Conversa com a chef Tânia Alves e café coletivo.

Naturopata, pesquisadora e professora de Cozinha Sustentável, a chef Tania Alves apresenta a palestra “O Sal da Vida”, em que aborda a alimentação consciente por meio da sustentabilidade.
No café coletivo, cada participante contribui com algum item que costuma comer em seu café da manhã. Leve sua caneca e evite usar embalagens de isopor ou descartáveis.
Onde: Espaço Bicicleta e Cidade, Praça Gastão Cruls 46, Vila Jataí/Alto de Pinheiros.

Dia 21, sábado, 10h
Oficina de construção de iscas para abelhas urbanas sem ferrão.

Com Carina Oliveira de Abreu, zootecnista e fundadora da empresa Zumzum Verde Socioambiental. Programa indicado para adultos e crianças a partir de 7 anos.
Os participantes devem levar garrafas PET de 2 litros vazias, limpas e com tampas. A oficina deve durar cerca de 3 horas.
Contribuição sugerida de R$ 25,00 por participante. Criança até 14 anos não paga.
Onde: Espaço Bicicleta e Cidade, Praça Gastão Cruls 46, Vila Jataí/Alto de Pinheiros.

Dia 22, domingo, 10h
Alimentação da composteira comunitária.

Levar resíduos orgânicos como cascas de frutas, verduras, borra de café, cascas de ovos. Não levar carnes ou comidas gordurosas. Contribuir com folhas secas ou podas picadas.
Onde: Praça Waldir Azevedo – Avenida São Gualter com Rua Japuanga.

Dia 22, domingo, 11h
Apresentação do Coral das Vilas
Onde: Praça Waldir Azevedo – Avenida São Gualter com Rua Japuanga.

Sobre a Coalizão pelo Clima

A Coalizão pelo Clima (facebook.com/coalizaopeloclima)  é “uma articulação ampla, suprapartidária e democrática, composta por diversos coletivos que debatem e promovem ações de informação e combate às mudanças climáticas” em nível nacional.

 Entre as atividades realizadas pela Coalizão de São Paulo destacam-se: debates abertos sobre a crise do clima e a situação dos povos tradicionais brasileiros, palestras em escolas do ensino fundamental e médio sobre mudanças climáticas e os cines-debate com filmes e documentários que abordam o tema, estimulando o conhecimento da sociedade sobre o momento crítico que estamos vivendo, em especial os jovens.

No mundo todo, jovens estão tomando as ruas de suas cidades e liderando o movimento de greve escolar pelo clima, como o já amplamente conhecido “Fridays For Future”, em que milhares de crianças e adolescentes deixam de ir à escola na sexta-feira como forma de protestar e chamar a atenção do governo de seus respectivos países para a intensificação e aceleração da crise do clima no planeta Terra.

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

No Vale do Corujas: resgate da memória da Vila Beatriz

A caminhada passou pelo parque linear das Corujas - foto Antonio Brasiliano


Um roteiro e uma dose generosa de história da Vila Beatriz. Assim foi a caminhada No Vale do Corujas, que aconteceu nos dias 17 e 18 de agosto, atividade que fez parte da Jornada do Patrimônio 2019, evento organizado pelo Departamento do Patrimônio Histórico (DPH), da Secretaria de Cultura da cidade de São Paulo, cujo tema este ano era Memória Paulistana.

Saímos da nascente do Corujas em direção à Praça Fioravante Salomão, cruzando a Praça Dolores Ibarruri (das Corujas) e o parque linear. Durante o trajeto, trouxemos muitas estórias e compartilhamos um pouco da memória do bairro, resgatada por meio de entrevistas com antigos moradores e pesquisas em jornais antigos, documentos e livros.

Antes de surgirem os primeiros loteamentos do bairro, no final dos anos 30, a região era ocupada por muitas chácaras.  Os primeiros moradores eram de origem humilde e construíram suas casas com a ajuda de familiares e amigos em um local onde, no início, não havia luz, água encanada e esgoto.

Com o tempo, o bairro foi recebendo melhorias e seu perfil de ocupação foi se transformando.

Leia, abaixo, alguns trechos dos depoimentos que registramos. 

Começo de tudo
“Minha mãe fazia sabão em casa pra poder pagar as prestações do terreno, além de ajudar o meu pai na feira.”
 “Eu nasci na rua do Futuro, atual Rua Natingui. Depois de dois anos, minha família mudou para cá onde moro. Aqui não tinha água encanada nem luz. Aqui era lampião, vela e lamparina. Meu pai fez uma casinha mais ou menos, dois barracões, um poço e uma fossa pra nós aqui. Eu gostava. Gostava, não. Gosto. Nosso poço tinha 21 metros de fundura.”

Escolinha
“Estudei na escolinha de madeira que tinha na esquina da Rua Isabel de Castela com a Rua Padre Artur Somensi, por onde passava o Córrego das Corujas.”
 “Eu nasci na rua Lira nº2. No mesmo local funcionava a fábrica de móveis do meu pai, que ajudou a fazer a Igreja e a escola de madeira do Padre Olavo, onde estudei.”

Infância
“Com o asfalto da rua (Isabel de Castela), que era descida, vieram as brincadeiras como o carrinho de rolimã. Eu e a molecada brincávamos também de bolinha de gude, empinar pipa e, principalmente, jogar futebol contra outros bairros. No fim da rua tinha os campos de futebol do meu querido Leão do Morro, no qual tive o prazer de jogar, 1º de Maio e o 7 de Setembro.”

Bailinhos
“Na época, no rádio e na televisão era o auge da jovem guarda e o ‘Iê-Iê-Iê’. Cantores como Roberto Carlos, Erasmo Carlos, Tim Maia, The Beatles, Johnny Rivers e Creedence Clearwater Revival faziam a cabeça da gente. Eu e meus amigos Ivo e Flavio (Magrelo) pegávamos a minha vitrola Delta juntamente com os discos de vinil, juntávamos a turma e fazíamos bailes na garagem da casa da Cristina. Foi a melhor época da minha infância, adolescência e juventude.”

Estórias da Vila
“Morei na Vila Beatriz, na Mário Pomponet, na década de 70. Estudei o ginásio no (Escola Estadual) Carlos Maximiliano Pereira dos Santos, na Vila Madalena. Era um longo caminho de casa até escola, passando pela rua das Corujas e pelos terrenos baldios onde empinava pipa e jogava futebol.”

O Corujas
“O rio transbordava muito. Era um lamaceiro. Na minha casa nunca tive problema porque eu tenho três degraus. Mas chegou a levar um carro. Imagina, vem toda a água da Heitor Penteado, do Alto de Pinheiros, da Vila Madalena, aqui forma uma bacia. Alagava tudo.”


E visite nosso perfil no Facebook para conferir as fotos da caminhada: https://www.facebook.com/VilaJataiAltodePinheiros/



sexta-feira, 16 de agosto de 2019

Convite Jornada do Patrimônio - Caminhada NO VALE DO CORUJAS

Queridxs vizinhxs e amigxs das Vilas!

É com muita alegria que convidamos a todos para participarem da caminhada NO VALE DO CORUJAS, um roteiro de memória sobre a VILA BEATRIZ, que faz parte da Jornada do Patrimônio 2019.

Vamos caminhar ao longo do Córrego das Corujas, tendo como ponto de partida a sua nascente na Rua Orós, atravessando a Praça das Corujas/ Parque Linear até chegar à Praça Fioravante Salomão.

Durante este trajeto vamos compartilhar um pouco da memória do bairro da VILA BEATRIZ, que é cortado pelo córrego, resgatada a partir de depoimentos que levantamos com antigos moradores, documentos e fotos.

Será um prazer dividir com todxs vocês as descobertas que fizemos!


sexta-feira, 9 de agosto de 2019

FESTA JUNINA LIXO ZERO - RESULTADO DA COLETA DE RESÍDUOS.

Todas as nossas ações são pautadas para gerar o mínimo de impacto no meio ambiente. 

Nessa 6º edição do nosso Arraiá das Vilas fizemos uma parceria com a Yougreen para coleta e gestão integrada dos resíduos.

Importante frisar que TODOS os resíduos de nosso Arraia incluindo o rejeito foram desviados do aterro sanitário.

Agradecemos a colaboração de todos, principalmente os barraqueiros que utilizaram embalagens retornáveis e compostáveis. 

Nossa meta  é tornar a festa cada vez mais sustentável e para o próximo ano reduzir ainda mais o impacto.

Parabéns ao nosso GT - Resíduo Zero que pilotou mais essa ação.

Seguem abaixo os quadros e os resultados.




segunda-feira, 15 de julho de 2019

Sorteio da rifa: Será que você está entre xs sortudxs?

Confira abaixo o resultado do sorteio da rifa do 6º Arraiá das Vilas!

Se você é um(a) dxs sortudxos, pegue seu voucher  com a pessoa que vendeu a rifa para você ou então na comic shop Cidade de Papel, à Rua Nazaré Paulista 267.

Com o voucher em mãos, entre em contato com o estabelecimento para curtir seu brinde!


Eita festança bonita, sô!





O frio intenso, que chegou à capital paulista na véspera, não foi capaz de diminuir a energia e alegria do 6º Arraiá das Vilas, que aconteceu no dia 6 de julho na Praça Comendador Manuel de Melo Pimenta, ao lado do Colégio Rainha da Paz.

Moradores das Vilas e amigos se juntaram logo cedo na praça para montar as barracas, pendurar as bandeirinhas e enfeites, preparar o palco e a fogueira, instalar toda parte elétrica e de luz, colocar os tambores de coleta seletiva em pontos estratégicos e deixar a infraestrutura prontinha para receber os vizinhos e suas famílias e amigos.










Mais uma vez contamos com o apoio essencial de parceiros importantes na produção e execução da festança: Colégio Rainha da Paz (com energia elétrica e uso de banheiros), Colégio Hugo Sarmento (mobiliário, brincadeiras e infraestrutura), ponto de táxi Rainha da Paz (fornecimento de água para lavagem de canecas e água potável), Cidade de Papel (espaço abrigou os voluntários da decoração e brincadeiras) e feirantes das ruas Padre Artur Somensi e Realengo (que cederam legumes e frutos para a produção de Receitas da Xepa). E, claro, dos comércios e estabelecimentos da região que cederam prendas e brindes para a rifa, um dos pontos altos do nosso Arraiá!

Arrasta pé e casório

A boa música vinda do acordeom de Toninho Ferragutti, da zabumba de Zé Pitoco, do baixo de Carlinhos Noronha, da bateria de Tiago Mecatti, do clarinete de Alexandre Ribeiro e da voz de Thamires Tannous, animou a festa, colocou todo mundo pra dançar e embalou a quadrilha, que abençoou o casório de muitos enamorados!

E a noite teve surpresas! A participação especial do músico Antonio Nóbrega, que cantou clássicos populares. A artista Maria Eugênia, que apresentou a dança com o “cabeção”, uma tradição no Nordeste. E a homenagem da nossa vizinha Gisella Gonçalves ao músico e compositor João Gilberto, que acabara de falecer, cantando a clássica “Chega de Saudade”.


Mesa Comunitária e fogueira

Dois espaços concorridos da festa, além da frente do palco e da barraca do quentão e vinho quente, foram a Mesa Comunitária – repleta com delícias trazidas pelos moradores – e a fogueira. Muita gente optou por ficar quietinha ao redor do fogo, aproveitando o calor das brasas. E houve até dança circular junto ao fogo!



Barraca do Bairro

Neste ano decidimos provocar uma reflexão sobre o lixo nosso de cada dia. E assim transformamos a Barraca do Bairro em uma grande composteira com o objetivo de dialogar sobre esse tema tão importante.





Também aproveitamos para levantar mais adesões ao abaixo-assinado  #isopornão (https://www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/46881), uma campanha do Coletivo das Vilas Beatriz, Ida e Jataí cujo objetivo é eliminar o uso de bandejas e embalagens de isopor em estabelecimentos da região e alertar a população sobre o impacto negativo deste tipo de plástico na natureza e na saúde da população.

Importante ressaltar que todo o resíduo orgânico gerado na festa foi destinado a uma das composteiras localizadas na própria praça. Os outros resíduos – recicláveis e não recicláveis – foram coletados pela empresa YouGreen, nossa parceira neste arraiá, que os enviou para os destinos corretos.

Confira mais fotos e veja o que rolou nesta tarde e noite tão especial!